Outubro rosa e a importância do autoexame

Por Taquim da Sucam

O outubro rosa é o período para o desenvolvimento das campanhas em prol do bem estar feminino, por intensificar as ações contra o câncer de mama. No Brasil, uma média de 59 mil casos de câncer de mama foram registrados no ano de 2018. O crescimento desordenado de células nocivas leva à formação de nodulações com potencial maligno ou benigno, tipologia determinada por biópsia. Esta multiplicação celular pode se desenvolver em qualquer área do corpo, no entanto as mamas são sensíveis para o surgimento da doença.

Este tipo de câncer tem característica nodular, adere-se a musculatura adjacente, podendo ser móvel ou imóvel e com crescimento rápido. Como medida auxiliar ao diagnóstico precoce, é orientado que as mulheres, a partir dos 21 anos de idade realizem o autoexame pelo menos uma vez ao mês, isto permite a identificação de nodulações na região mamária. Durante a palpação da mama deve-se observar alterações na conformação do mamilo, inchaços, presença de secreções anormais, textura – similar a casca de laranja – e coloração da pele avermelhada.

Faça o autoexame

A técnica do autoexame faz parte do programa de saúde preventiva do câncer de mama. Em média 80% das massas tumorais na mama são evidenciadas no decorrer do autoexame. O simples procedimento de ficar em pé, elevar o braço sobre a cabeça e tocar ambos os seios conduz a mulher ao conhecimento do próprio corpo, sensibilizando-a para perceber a condição normal e também a constatação de anormalidades que ao serem diagnosticadas precocemente aumentam as chances de sucesso diante do tratamento.

Nos últimos anos houve grande avanço no combate ao câncer de mama, no entanto, a quimioterapia e radiação ainda tem feito parte do processo de cura e recuperação, em muitos dos casos, associada à mastectomia. São tratamentos invasivos e debilitantes. Este é outro grande ponto sobre a importância do autoexame, evitar chegar nestas medidas radicais que resultam na queda dos cabelos e a retirada de um ou ambos os seios como consequência, dependendo de cada quadro clínico.

O psicológico da mulher é diretamente afetado quando há confirmação da presença da doença, acarretando mudanças na qualidade de vida. Quanto mais previamente for iniciado o reconhecimento do tipo de câncer, definido o tratamento adequado, menores serão as sequelas e torna o prognóstico favorável à mulher. O autoexame por si só não é definitivo, mas, consiste numa ferramenta de suma importância para posterior busca de atendimento médico profissional para descartar possíveis anomalias ou alterações anatômicas das mamas que acabam se convertendo em câncer.

O câncer de mama mata. Fazer o autoexame é simples e pode salvar vidas. Ao perceber modificações, sensibilidades ou qualquer outra diferença nos seios é necessária realizar junto ao profissional da saúde exames como mamografia e coleta de material para análise no intuito de confirmar ou descartar a existência do câncer de mama.